11 de fev de 2011

Breve História de Vargas a LULA


Introdução

Para dar inicio a este trabalho, é necessário primeiramente situar o período que envolve o final da República-Velha para a transição da Nova- República, após o Governo Washington Luiz para Getúlio Vargas em 1930.

Para a maior parte da população não houve diferenças entre o Regime Imperial e a República ( Velha e nova), afinal as oligarquias, as elites brasileiras sempre foram as protagonistas dos processos políticos e sociais do país. A maior parte da população permanecia analfabeta, sem acesso à informação, reclusa ao campo. Este sentimento de que apenas as elites comandavam os rumos da nação permaneceu pouco alterado por longos anos, nos períodos da República Velha, onde havia a política do Café com Leite, no golpe de Getúlio Vargas, durante o governo de JK, com seu populismo e durante o Regime Militar. A reabertura para a democracia, também é mera especulação, embora todos soubessem, que Tancredo Neves não viria para libertar seu povo, como se fazia acreditar, e que seu concorrente Paulo Maluf era um antigo afilhado da elite econômica brasileira, apoiado pelos militares. Após a morte de Tancredo, antes da posse, assumiu a Presidência José Ribamar de Araújo Costa, ou José Sarney, filho de uma família tradicional do norte do país, entre o Maranhão e o Pará, herdeiro do coronelismo remanescente.

Governo Washington Luiz 1926-1930

Washington Luiz Pereira de Sousa nascido em Macaé, Advogado, historiador, maçom, assumiria a Presidência da República aos 47 anos, e último presidente da República – Velha, apesar de ser do Rio de Janeiro, fazia parte do Partido Republicano Paulista, e também o último da famigerada “politica do café com leite”, ou seja neste momento era a vez dos “paulistas” assumirem a Presidência.
O Governo de Washington Luiz foi tranquilo até 19229, quando o mundo entrava em colapso devido a “Crise de 29”, fato provocado pela quebra da bolsa de valores de Nova Iorque, São Paulo por ter maior poder econômico devido a produção do Café, sentiu-se abalado, pois a economia do Brasil era baseado na monocultura, e lavouras de café ( principal produto de exportação do Brasil).
Já antes da politica de valorização do café, mantida por Washington Luiz, era questionada e combatida dentro do próprio PRP onde reunia a burguesia cafeeira de São Paulo, onde meses mais tarde formariam o Partido Democrático, a pequena burguesia junto com a ala radical, formaria o grupo politico que ficou conhecido com o”Tenentismo”, pois haviam militares do exército que fizeram parte da antiga coluna prestes (1925-1927).
O Governo de Washington, foi não somente de “ apagar incêndios”, como também de progressos, a intenção de integrar o Brasil através das rodovias, era gerar desenvolvimento sem ter que precisar apenas do café, criou arquivo nacional, por ser historiador e saber da importância da conservação da memória do Brasil. Washington tinha que agradar a burguesia, os militares e até mesmo o cangaço de lampião que avassalava o nordeste brasileiro.
A sucessão de Washington Luiz não foi dada de maneira tranquila, não havia como dizem o revezamento entre São Paulo e Minas Gerais, mas a frequência entre os dois era maior, Washington Luiz cometeu para o período um verdadeiro suicídio politico, apoiando o paulista Júlio Prestes eu baiano Vital Soares, isso daria fim a politica do Café com Leite, onde Minas Gerais indicaria Antônio Carlos Ribeiro de Andrada, Antônio Carlos então faria uma aliança ( Aliança Liberal) como os Gaúchos, e lançariam Getúlio Vargas e João Pessoa, como presidente e vice. Após as eleições de 1º de março de 1930, entre inúmeras acusações de fraudes, venceriam os paulistas do PRP, em junho de 1930 era assassinado João Pessoa, por questões familiares, mas foi utilizado como questões politicas, em 03 de outubro de 1930 Getúlio Vargas, era o Novo Presidente do Brasil, após revolução eclodia em Porto Alegre, após o golpe Washington Luiz foi exilado, morou nos Estados Unidos, e morreu em 1957 em São Paulo.

Governo Getúlio Vargas. 1930 – 1934.

Getúlio Dorneles Vargas, Gaúcho, Nascido em São Borja, em 1882, era advogado , e primeiro presidente da Nova República, assumiu a Presidência como já visto através de um golpe de Estado.
Vargas herdou uma politica econômica fragilizada após, a crise de 29, neste cenário a economia britânica e alemã já faziam parte do mundo e Vargas teria que saber fazer o jogo de ambos tendo em vista que tinha mais afinidade a politica americana, mesmo assim Vargas assumiu o poder como “Governo provisório”, com uma politica arrojada, protecionista, e que valorizava o café, mas também previa o desenvolvimento econômico do país através de outro mecanismo como presença do Estado na economia.
No inicio do Governo Vargas logo após o golpe, ele havia garantido aos trabalhadores vitórias trabalhistas, como jornada de trabalho de 8 horas, justiça do trabalho, direito a sindicalização, mas a politica era proibida dentro dos sindicatos que deveriam funcionar apenas para o lazer dos trabalhadores, em contra partida o governo concedia empréstimos a empresários e industriais e limitava as importações.
Na esfera politica Vargas governou sem constituição, pois a última seria a de 1891, e após a Revolução Constitucionalista de 1932, foi promulgada uma constituição aprovada por uma assembleia constituinte. Em São Paulo a inquietação politica era mais acentuada, o principal foco de revolta era oriundo do Partido Democrático de São Paulo que se sentiu fora do Poder por militares de várias partes do país, o Jornal “ A Gazeta” era o maior veiculo de comunicação de oposição a Vargas juntamente com o “Estado de São Paulo ( fundado em 1875 como nome de A província de São Paulo)”, com ideias republicanas.
No dia 09 de julho de 1932 ocorria a “ Revolução Constitucionalista de 32”, que tinha por objetivo o fim do Governo Provisório e a promulgação de uma nova constituição, a revolta durou 87 dias e o seu Presidente era o advogado Pedro de Toledo, mas com a superioridade bélica e logística, os federalistas venceram ao combate, a Revolução serviu para abrilhantar a constituição de 1934, que com muitos acordo acabou sendo promulgada e através do voto indireto Getúlio Vargas fora eleito Presidente do Brasil.

O Estado-Novo 1937-1945.

Após a constituição de 1934, e a eleição de Vargas o Brasil vivia um outro momento de sua história, que era a época dos conflitos, da partidarização e internacionalização. Em 1930 havia sido fundado o partido Fascista, mas no Brasil já existia como foco de resistência o Partido Comunista, e em contra ponto a Ação Integralista Brasileira, que defendia o Estado forte, o nacionalismo, eram antissemitistas, anticomunistas e contra o liberalismo, tinha como lema: Deus, Pátria e família ”. Muitas vezes esse autoritarismo, faziam com que os comunistas fizessem manifestações públicas, e muitas vezes acabando em pancadarias, criando assim a ANL Aliança Nacional Libertadora, encontrando-se tenentistas, comunistas e liberais oponentes a Vargas, tendo como líder principal Luís Carlos Prestes.
Vargas respondeu aos rebeldes com o fechamento da ANL, e os militantes foram presos e deportados, pois defendiam nacionalização de empresas estrangeiras, reforma agrária, governo popular, bem parecido aos moldes comunistas, após o controle da situação Vargas resolve ampliar a centralização do poder, após uma falsa denúncia de um plano comunista de golpe de Estado ( Plano Cohen), suspeita levantada por um oficial integralista Góis Monteiro, em 1937, Vargas decretou Estado de Guerra, dissolveu o congresso, extinguiu a constituição de 1934, implantando o Estado Novo, regime ditatorial que duraria até1945.
O Estado-Novo , extinguiu os partidos políticos, aboliu a liberdade de imprensa e instituiu a censura, os Estados agora eram comandados por interventores, Vargas criou um clima de civismo a o olhar dele, criando o DIP- Departamento de Imprensa e Propaganda-, colégios para filhos de operários e a famosa” VOZ DO BRASIL”, a mesma voz que anunciou no rádio que o munda vivia uma Segunda Guerra Mundial. A segunda Guerra Mundial trouxe problemas ao país, tendo que se aliar a Guerra (1942) ao lado dos países do Eixo: Alemanha, Itália e Japão, inclusive enviando tropas a guerra, com a vitória dos aliados, Vargas acabou libertando presos políticos, restabelecer ao processo eleitoral, e convocar novas eleições. Cria chamada Constituição polaca que recebia este nome por se parecer a constituição polonesa.
Vargas tentando retardar o processo politico, acabou deposto em 1945, assumiu o Presidente do STF, José linhares até a posse do General Eurico Gaspar Dutra, que restabeleceu eleições diretas, e abertura da imprensa. Em 1950 Vargas vence as eleições para presidente. Onde certamente foi o melhor período dele no poder, direcionou o Brasil ao rumo do desenvolvimentismo, avançando nos setores de transportes, indústrias, e energia, a Petrobras, ainda hoje a maior emprese de exploração de petróleo do mundo.
As empresas estavam lucrando e Vargas criaria a lei que proibia a empresas multinacionais a enviarem lucros ao exterior, o que contrariou o setor, em contra partido operários exigiam maiores salários, estava armada briga, em 1953 explodiu a maior greve do período chamada de greve dos 300 mil. Sem apoio da burguesia Vargas resolve se aliar aos trabalhadores aumenta o salário minimo, sem apoio Vargas em vésperas de tomar outro golpe militar, comete suicídio, finalizando com a frase “ deixo a vida para entrar na história”, apelidado de paí dos pobres, e por outros como pai dos pobre e mão dos ricos, Vargas deixou o seu legado para a historiografia nacional, difícil de ser apagada.

Café Filho 1955-1955.

Com medo de uma nova rebelião popular, assume a Presidência João Fernandes Campo Café Filho, nordestino, nascido em Natal-RN. Café Filho assumiu o mandato com o objetivo de convocar novas eleições presidenciais, o mandato “tampão” de Café Filho foi inexpressivo, com problemas de saúde, onde assume o presidente da câmara Carlos Luz, que não queria dar posse ao presidente eleito Juscelino Kubitschek.
Há de se fazer uma observação importante que depois de 1945, o período pós-guerra, trouxe a valorização do cinema, a evolução do rádio, do telefone, inclusive a ONU, Organização das Nações Unidas, a Organização dos Países Americanos, numa tentativa de tentarmos esquecer, o Nazismo de Hitler, o fascismo de Mossolini, a bomba atômica, sem esquecer que os Jogos Olímpicos e a a Copa do Mundo ficaram suspensos nesse período por que de certa maneira não havia condições para tais eventos. Em 1950 o Brasil reabre as Copas do Mundo e perde dentro de casa para o Uruguai dentro do maracanã lotado de virada, ficando com o Vice campeonato.

Juscelino Kubtischeck- 1956 – 1961.
Após os conflitos, as guerras, e os entraves,assumia um presidente Mineiro, em 1956, Juscelino Kubitschek de Oliveira,médico ( um dos maiores urologistas do mundo), dá ao país um olhar diferenciado, ainda no discurso de comício para presidente é sabatinado por Seu Toniquinho, em Jataí Goiás no ano de 1955, se eleito fosse o presidente iria respeitar a constituição e transferir a nova capital da República, e JK disse sim, e hoje Brasília é a concretização de um sonho, não só de Dom Bosco, do Marquês de Pombal, mas de todo um povo brasileiro.
JK iniciou o governo com a promessa de desenvolver o país em 50 anos em 5, com intervenção do Estado na economia, com investimentos em infra-estrutura, comunicação e transporte, mas para isso foi necessário empréstimos absurdos no exterior contribuindo com o aumento de nossa divida externa. Na esfera politica, anistiou antigos condenados, e tornou-se populista as vistas do povo, mesmo sendo visível que seu governo era mediano e atingia apenas algumas parcelas da sociedade, inclusive utilizando do fato d Brasil ter sido campeão do mundo na Suécia em 1958 no futebol.
Em 21 de abril de 1960 JK, inaugura Brasília, e já abriria espaço para novas eleições a presidente da República, JK apoiava o General Lott que havia sido o responsável por sua posse em 1956, mas perdem as eleições para Jânio Quadros, e o seu vice João Goulart é reeleito vice-presidente, “era a Luta da espada contra a vassoura”, isso por que Jânio Quadros prometeu varrer a corrupção.

Jânio Quadros – 1961

Jânio da Silva Quadros, o primeiro e único presidente nascido no Mato Grosso do Sul mas erradicado em São Paulo, apesar de um período da infância em Curitiba, advogado, Maçom, aliás o último presidente da República a pertencer a Ordem Maçônica, assumiu a presidência com a missão de defender os interesses populares e combater a corrupção, mas ficou apenas 07 meses no poder, tinha apoio popular e pouco apoio no congresso, há quem diga que Jânio sairia por cima na renúncia, que ele pediria renúncia, o povo se revoltaria e voltaria nos braços populares, mas o congresso aceitou a renúncia, o povo não se manisfestou e Jânio acabou fora da presidência.
Jânio havia rompido com o mais importante partido do período a UDN, que tornou-se opositor implacável. Antes de Jânio deixar o poder ainda deu tempo de condecorar o guerrilheiro “ Che Guevara” ( renunciaria 2 dias depois) , mas em contra partida proibiu o uso do biquíni, apoio a PEI (politica externa Independente) em 25 de agosto o “repórter esso” anunciaria a renúncia de Jânio Quadros ao país, anos mais tarde perderia os direitos políticos junto com JK e com o seu vice João Goulart.

João Goulart- 1961 – 1964.
Após a renúncia de Jânio Quadros assumiria a presidência o Vice-presidente eleito João Goulart, com um caráter mais liberal-social, já havia sido ministro do trabalho no governo Vargas, Jango assim como era chamado, prendia a atenção de setores delicados da sociedade, a classe alta, empresários e militares, que temiam que suas reformas pudessem além de os enfraquecerem, correrem o risco de ver o Brasil tornar-se um país socialista, pois Jango tinha mas proximidade e afinidade aos países que seguiam essa politica, como China e União Soviética, lembrando que esse período é do Guerra Fria.
Jango propôs reforma agrária, aumento de 100% no salário minimo, tinha o apoio de trabalhadores e sindicalistas, como Jango estava em visita oficial a China, os parlamentares mais conservadores do congresso tentaram impedir sua posse, na tentativa de golpe de Estado, a UNE ( União Nacional dos Estudantes), sindicalistas, organizaram grandes atos de apoio a Jango, que permaneceu no poder.
O Congresso insatisfeito com a posse de Jango e temendo um país sendo governado por sindicalistas, forçou Jango a aceitar o parlamentarismo no Brasil, na verdade foi um acordo diplomático, pois os militares queriam impedir a todo preço a posse de Jango , seu cunhado o então governador do Rio Grande do Sul Leonel Brizola, criou o movimento pela legalidade, fazendo costuras politicas para assegurar a posse de Jango, a saída foi de fato o parlamentarismo, assumindo o cargo mo primeiro ministro Tancredo Neves.
Em 1963 as vésperas da saída de Jango, foi aprovado um plebiscito que retornou o regime presidencialista no Brasil. Jango ganhou um certo apoio popular e logo tratou de implantar o que ele chamou de reformas de base com as reformas já citadas a cima, a maior manifestação veio em 1964 com 300 mil pessoas em um comício em São Paulo ao qual prometeu acelerar as reformas e convocar uma nova constituinte, a oposição se organizou e realizou a “Marcha da família com Deus pela liberdade, que convocou a ala conservadora da Igreja Católica Romana, e os setores mais tradicionais da sociedade. O oficialato militar também temias as Reformas de base, então em 1º de Abril de 1964 os militares com apoio do EUA deram o golpe militar que duraria 20 amargosos anos, Brizola ainda tentou resistir mas para evitar uma Guerra Civil, Jango achou por bem se exilar no Uruguai,o congresso declarou o cargo vago e tomou posse Ranieri Mazzili presidente da câmara dos deputados, no dia 10 de abril tinha seus direitos cassados por 10 anos através do Ato Institucional I – AI-1.

Castelo Branco 1964-1967.

Havendo tomado posse o Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco, foi chefe do Estado maior de João Goulart e depois daria um golpe no mesmo, oriundo de família nobre, estudou fora do país, liderou as tropas da FEB, e tinha o prestigio dos setores elitistas da sociedade, há quem diga, e principalmente os militares que não houve golpe mas sim uma “revolução”.
No campo politico, Castelo Branco aboliu os partidos políticos e começou a governar o país através de Atos Institucionais, Castelo Branco deveria apenas completar a governo de João Goulart, mas com as eleições suspensas permaneceu no poder até 1967.
Castelo Branco tratou de combater os oponentes, enquadrando-os na Lei de Segurança Nacional, a lei de imprensa, o Serviço Nacional de Informações SNI, e na esfera econômica criou a moeda cruzeiro novo, na tentativa de diminuir a inflação, aprovou o Estatuto da Terra, a lei 4320 que instituía normas ao sistema financeiro. Em 1965 houve eleições para governador em 11 estados, e o governo militar ganhou em seis deles. Em resposta, foi editado o AI-2, que permitia não só a intervenção do governo federal nos estados e municípios, mas também que o Executivo legislasse através de decretos-lei.

Em outubro do mesmo ano, o Congresso foi fechado, e no início de 1967 reaberto pelo AI-4 para se reunir extraordinariamente e aprovar a nova Constituição brasileira, quinta da história do Brasil e quarta desde a proclamação da República. O texto dessa Constituição submetido por Castelo Branco, aprovado aos 24 de janeiro de 1967, foi importante para que os militares dessem um ar de legalidade ao regime, e veio a fortalecer o poder Executivo, manteve as eleições indiretas e diminuiu a autonomia dos estados, embora mantivesse o Brasil como federação. O Terreno já estava preparado para o militar Costa e Silva que assumiria o poder em 1967.

Costa e Silva 1967-1969

Arthur da Costa e Silva, Marechal, foi o segundo presidente do regime militar no Brasil, foi eleito pelo congresso nacional, em 1967, sendo candidato único pela ARENA, existia um movimento de resistência chamado frente ampla liderado por JK e Jango, exilados e com os direitos cassados, Enquanto o PCB defendia o caminho pacífico para a implantação do comnunismo no país (por meio de reformas estruturais), os grupos e organizações de esquerda dissidentes defendiam o emprego da guerra revolucionária, ou seja, a chamada "luta armada", para derrubar a ditadura militar e em seguida implantar o socialismo.
A atuação dos movimentos oposicionistas chegou ao auge no ano de 1968. A Frente Ampla promovia comícios, passeatas e reuniões e havia ampliado suas bases de apoio conseguindo adesão até mesmo de setores das Forças Armadas. Por outro lado, o movimento estudantil começou a se reorganizar. O Ano de 1968 é tido como o mais violento e o de maior repressão, inclusive com a prisão de estudantes da Universidade de Brasília.
Graças a Deus o Governo Costa e Silva foi interrompido após sofrer um AVC, as a solução definitiva para a crise institucional aberta com o afastamento do presidente Costa e Silva foi encontrada com a escolha de um general para um novo mandato governamental. O escolhido foi o general Médici.
O Governo de Costa e Silva foi um frente de permanência do poder militar frente a vontade politica e de resistência a focos de oposição aos militares, sem arrocho econômico, sem grande obras sem expressão social e politica, conseguiu apenas entrar para história como um dos períodos mais violento do Brasil.

Médici -1969-1974

Emílio Garrastazu Médici, foi o terceiro militar a assumir o poder em 1969, assumiu com o compromisso de restabelecer a Ordem Pública e Social, pois no pais vinha sendo organizadas guerrilhas,ou seja focos de resistência a o regime ditatorial, Nas duas eleições ocorridas durante seu governo, a ARENA saiu amplamente vitoriosa, fazendo, em 1970, 19 senadores contra 3 do MDB, e, em 1972 , elegendo quase todos os prefeitos e vereadores do Brasil. Eram proibidas manifestações populares e reivindicações salariais por trabalhadores.
Os três ministros mais importantes de seu governo, e que tinham grande autonomia, eram Delfim Neto, que comandava a economia, João de Abreu, como coordenador político, e , que comandava o combate à guerrilhas. Esses foram os responsáveis pelo que foi chamado de milagre brasileiro, pois deram um outro rumo a economia do país, alguns brasileiros já podiam ter geladeira, fogão, televisor em cores, para assistiram a cor os gols de Pelé, pois a essa altura o Brasil já era Tri campeão mundial de futebol.
No seu governo, concluiu-se o acordo com o Paraguai para construção da Unisa de Itaipu, à época a hidreletrica de maior potência instalada do mundo. No campo social, foi criado o Plano de Integração Social (PIS) e o Programa de Assistência Rural (PRORURAL), ligado ao FUNRURAL, que previa benefícios de aposentadoria e o aumento dos serviços de saúde até então concedidos aos trabalhadores rurais. Foi feita uma grande campanha de alfabetização de adultos através do MOBRAL ( Movimento Brasileiro de Alfabetização)e uma campanha para melhoria das condições de vida na Amazônia com a participação de jovens universitários chamado Projeto Rondon.
Médici terminou o seu governo em 1974, deixando a vaga para Ernesto Geisel, que comandaria o país até 1979, tinha frase como : Brasil ame ou deixe-o, e em oposição exite a história do cantor Juca Chaves, que certa vez perguntou a um jornalista: Você sabe como se faz para medir um burro? Não. Mede-se (Médici) da cabeça aos pés.


Ernesto Geisel 1974-1979

O Gaúcho e militar Ernesto Geisel, assumiu a presidência em 1974, com a missão de começar a abertura politica, extinguiu o AI-5, e deu continuidade a politica anterior, mas o grande diferencial foi a diplomacia, tento interna como externa, voltou as relações com a China, reconheceu a independência de Angola, e trabalhou o Poder para João Figueiredo fizesse a abertura politica do Brasil.

Figueiredo 1979-1985

João Batista de Oliveira Figueiredo, carioca, militar e ex combatente na revolução constitucionalista de 1932, Seu mandato foi marcado pela continuação da abertura política iniciada no governo Geisel, e pouco após assumir, houve a concessão de uma anistia ampla geral e irrestrita aos políticos cassados com base em atos institucionais.
Em 1980, extinguiu-se o bipartidarismo instaurado. A partir disto, foi criado o PMDB como sucessor do MDB, e o Partido Democrático Social(PDS) como sucessor do ARENA, além de outros novos partidos; Figueiredo, assim, virou filiado ao PDS.
Em 1982, engendrou-se uma reforma eleitoral para assegurar a situação maioria nas eleições de 82 onde se defrontariam os governistas do PDS e quatro legendas de oposição. Contudo, durante o seu governo ocorreram vários atentado terroristas, atribuídos a setores da direita e militares da linha dura. Sua gestão ficou marcada pela grave crise econômica que assolou o mundo, com as altas taxas de juros internacionais, pele segundo choque do petróleo em 1979, a disparada da inflação que passou de 45% ao mês para 230% ao longo de seis anos, e com a divida externa crescente no Brasil, que pela primeira vez rompeu a marca dos 100 bilhões de dólares, o que levou o governo a recorrer ao FMI em 1982. Neste ano, houve a criação do estado de Rôndonia e é justamente aí que surge a figura do operário LUIZ INÀCIO LULA DA SILVA, no ABC paulista liderando as greves e onde surge o PT PARTIDO DOS TRABALHADORES, e mesmo ano que a maior seleção brasileira de futebol segundo só críticos sairia precocemente da copa para a Itália pelos pés de Paulo Rossi.
Em 1983, têm início as campanhas das Diretas Já, que acabaram rejeitadas no Congresso Nacional. Entretanto, o governo Figueiredo promoveu a primeira eleição civil brasileira desde 1964, que decretava o fim do Regime Militar. Figueiredo apoiava o candidato do PDS,Paulo Maluf, que acabou sendo derrotado pelo candidato oposicionista Tancredo Neves. Como Tancredo veio a falecer antes de assumir a presidência, o Vice-presidente José Sarney antigo membro do PDS, assume o poder. Figueiredo recusou-se entregar sua faixa presidencial a Sarney na cerimônia de posse em 1985, pois o considerava um "impostor", vice de um presidente que nunca havia assumido .

José Sarney- 1985-1990

José Ribamar Sarney de Araújo Costa, lidera juntamente com Paulo Maluf o rol dos políticos mais antigos do Brasil ainda atuante na vida politica, assumiu a presidência da República após a morte de Tancredo Neves que nem chegou a tomar posse, Sarney assumiu com uma dúvida constitucional se ele deveria tomar posse ou Ulysses Guimarães então presidente da câmara dos Deputados, mesmo assim o asseguraram a posse.
Com um país onde a hiperinflação tomava conta, com instabilidade politica, pois eram 20 anos de desconfiança politica, Sarney assumiu a dura missão de conduzir o pais para a democracia, para promulgar uma nova constituição, e acabar com a crise econômica, nada fácil para um país que vinha de repressão politica.
Na área econômica Sarney, congelou preços, criou o plano cruzado, a economia sofreu graves prejuízos no que tangia fornecimento, então foi lançado o plano cruzado II, sem funcionamento o pais decretou moratória, com uma inflação de mais de 80% ao mês e 2.000 % ao ano, o país entrava em recessão, foram criados planos que funcionavam como remédios econômicos, em 1988 o Brasil aprovaria a Constituição que prevalece até os dias atuais,e conduziu o Brasil a primeira eleição depois de 26 anos.
Na primeira eleição para Presidente, entre 22 candidatos que defendiam os mais diferentes interesses, ficaram dois candidatos antagônicos, Fernando Collor que tinha “nascido com aquilo roxo”, ou seja nasceu das elites para governar para elites, e “caçar marajás”, e Luiz Inácio Lula da Silva, que de origem pobre, sem formação universitária, representava uma vontade esquerdista e surgia como opção para um país recém saído de uma ditadura e como representante de uma América já tão desfragmentada com ditaduras e pobrezas, mas que não agradava empresários e a burguesia brasileira. No segundo turno era evidente que não venceria Lula, saiu vitorioso Fernando Collor.

Fernando Collor 1990-1992

Fernando Afonso Collor de Mello, foi o mais novo presidente do brasil, depois de mais de 20 anos se eleições diretas, e de graves crises politicas e econômica, Collor era a esperança de um povo, jovem, esportista, experiente e de família nobre e repeitada, assumiu a presidência com uma postura arrojada, visando o Brasil ao Desenvolvimento.
Collor desburocratizou o serviço público, tendo que para isso demitir funcionários, trouxe novas empresas automobilísticas, moralizou o concurso público, mas Collor esqueceu de um ponto forte na politica nacional, o congresso, sem acordo e arrumações politicas, Color viu seu governo ser descafelado pela corrupção, pela falta de administração interna, indicou a prima Zélia para ser ministra, o primo Marco Aurélio para o STF, e o próprio irmão Pedro o denunciou no esquema de corrupção e caixa 2.
Collor pagou um preço alto, caiu nas desgraças do povo, para combater a inflação, Criou o Plano Collor e dentro dele estava previsto o confisco das poupanças, o governo começava a ruir.O Governo Collor agradou gregos e troianos com uma política externa acentuada, abertura econômica, modernização do serviço público, tudo muito bom, mas assim como D.João VI, D.Pedro II, Vargas, JK, Collor menosprezou o Congresso, acreditou poder governar através do poder executivo, assim como fez D.Pedro I com o Poder Moderador, agredindo políticos vindos do regime militar, de antigas oligarquias, ou financiados por estes, não tardou muito para que fosse desfeito seu governo, e por uma ilusão que ficará marcada na memória brasileira, seu Impecheament foi aprovado, houveram os “ cara-pintadas”, CNBB, CUT, dentre outras organizações que forçaram alguma atitude por parte do parlamento, o que foi feito.
Itamar Franco 1992 -1994
Itamar Augusto Cautieiro Franco, baiano erradicado politicamente em Minias Gerais, Itamar foi o vice-presidente, de Fernando Collor, e assumiu o país a meio de crises, sendo orientado até mesmo a fechar o congresso, Itamar tinha amissão de apagar o fogo de insatisfação popular ,e dar um eixo de novo progresso para o país.
Após a cassação do presidente Collor, que foi ilegítima ( sem pretender defendê-lo), pois o mesmo havia renunciado ao cargo, não podendo ser cassado pelos problemas de seu governo. Assume seu vice Itamar Franco, sem expressão, pode fazer um governo modesto e sem muitas complicações, consegue criar o plano Real, dando poderes a eleição de Fernando Henrique Cardoso, e também a sua reeleição, permanecendo como forte aliado o congresso, a política econômica, e Neoliberalismo, dando maior força ao empresariado, com interferência mínima do Estado na economia

Fernando Henrique Cardoso 1994 -2002

Fernando Henrique Cardoso, ou FHC, Carioca, e erradicado politicamente em São Paulo, onde foi professor emérito da USP, assumiu a presidência após derrotar Luiz Inácio Lula da Silva por duas vezes em 1994 e 1998, o que alavancou a eleição foi o plano real , que cortava “Zeros” da moeda, e dava poder de compra e venda ao povo, fortalecendo a moeda e a economia dando equilíbrio a balança Comercial.
O Governo FHC foi marcado, pela presença do capitalismo, e do neo liberalismo econômico, recheado de privatizações, entre elas a Vale do Rio Doce, ausentou o Estado da economia, enfraqueceu o serviço público, mas deu margem aos movimentos sociais. FHC, na área econômica produziu o que o FMI, sugeriu que fosse implantado, na área politica teve que responder a escândalos de mensalão, pela aprovação da reeleição.



LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA DE 2002 PARA HISTÓRIA.

Ao fim da era FHC, ascenderia ao poder o ex-metalúrgico LULA, que disputaria quatro eleições à presidente. Mais maduro, menos radical, Lula consegue eleger-se mantendo a política econômica de FHC, a dando mais ênfase a política social. Dizer que o povo votou em Lula porque acreditava que ele era um homem do povo, é uma metáfora populista, pois dificilmente a mentalidade do eleitorado brasileiro mudaria em menos de 20 anos, o que não ocorreu em 500, a eleição de Lula, foi o encerramento de um ciclo político, após a elite chegar ao poder na abertura política com Collor, com a eleição dos sociais democratas ( PSDB), era a hora da “esquerda” mesmo camuflada chegar ao poder, ainda que para isso tivesse que contar com velhos inimigos para garantir a governabilidade, Paulo Maluf, José Sarney, a filha de Sarney Roseana, Renan Calheiros, o próprio ex-presidente Collor, e até mesmo ouvir conselhos de Antonio Carlos Magalhães e Delfim Neto, ou seja a ruptura ainda não veio, estamos a mercê de pessoas engajadas e comprometidas com seus próprios interesses, e o povo ainda espera a sua vez de agir como protagonista das grandes transformações sociais.
O Governo Lula foi marcado por transformações socais, valorização do povo, combate a fome, a pobreza, fez o dinheiro e o desenvolvimento chegarem ao nordeste, distribuiu renda, valorizou o serviço, e o servidor público, fez moradias, enfim fez as mudanças necessárias para o desenvolvimento do país, fez alianças na hora certa, fez sua sucessora, foi elogiado internacionalmente, pagou a divida com o FMI, criou o Pro UNI para dar acesso ao nível superior, fortaleceu as estatais, enfim Lula como disse o presidente Barack Obama dos EUA : É O CARA! Tornou-se um grande líder mundial e fez o Brasil ser repeitado não só pelo futebol e o carnaval, mas pelo trabalha de um povo que luta, depois de Lula, um negro foi presidente dos EUA, Um índio na bolívia, um esquerdista na Venezuela, uma mulher no Chile, Zelaya em Honduras, uma mulher na Argentina, entre outro países onde pode mostrar que as minorias podem chegar ao poder e fazer as coisas acontecerem. Lula entrou para história é o maior presidente da História do país e deixou uma mulher Dilma Roussef, para dar continuidade as grandes mudanças.









Nenhum comentário: